O que realmente importa ao ser humano para que viva feliz e em harmonia?


Encarar a vida de forma despretensiosa é uma maneira simples de sintonizar-se com o tempo.


E o que vem a ser Wabi Sabi?


Na idade média, em oposição a nobreza, ao poder e a ostentação, os monges e sacerdotes japoneses participavam da cerimônia do chá, onde tinham acesso direto e intuitivo à verdade transcendental acima de qualquer concepção intelectual e materialista. Nestas cerimônias, utensílios rústicos eram utilizados para preparar e servir o chá. Estes utensílios eram de cerâmica, feitos de forma despretensiosa, minimalista, a base de argila e engobe, sem detalhes, queimados em fornos anagama e noborigama. Estes fornos queimavam as peças por mais de 36 horas em alta temperatura. O calor do fogo e a ação das cinzas das lenhas queimadas durante o processo de sinterização da cerâmica proporcionavam às peças formas, cores e efeitos assimétricos, imprevisíveis. A arte advinha das reações naturais da terra, água, fogo e ar; sem padrões de estética. Peças, que eram únicas, irregulares e imperfeitas, surgiam. Assim como tudo ao redor da cerimônia do chá, apreciava-se então a beleza destes utensílios que eram inacabados no tempo. A beleza modesta e humilde. A beleza das coisas não-convencionais...a beleza wabi sabi.

_____________________________________________________

Dicas:
1) Veja as últimas publicações clicando em: "Página inicial" no rodapé;
2) Veja as publicações anteriores clicando em: "
Postagens mais antigas" no rodapé;
3) Amplie as imagens clicando nas mesmas;
4) Veja também o site de artes plásticas do mesmo autor: www.alfredomilano.com.br

Obrigado por acessar o blog! Volte sempre!

Fotografias e Edição:

Alfredo Milano
Gonçalves-MG
Brasil

Quem sou eu?

Um indivíduo qualquer...

01/04/2009

TODOS IGUAIS POUCOS DIFERENTES

Muitos acham que são todos iguais, poucos sabem que são tão diferentes. Aqueles especiais tão poucos ou até mesmo inexistentes. Muitos deixam para trás os únicos e os poucos, muitos os ignoram, outros poucos pressentem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário